Kalouv disponibiliza a primeira faixa do álbum “Elã”

Kalouv, grupo formado por Basílio Queiroz (baixo), Bruno Saraiva (teclado), Saulo Mesquita (guitarra), Túlio Albuquerque (guitarra) e Rennar Pires (bateria), lança o primeiro single do terceiro disco da banda. Pedra Bruta, uma das faixas mais intensas do grupo, é guiada por um riff com muita influência de música oriental, que começa na guitarra e teclado e chega ao final junto com as vozes gravadas por Sofia Freire, cantora, compositora e pianista do Recife.

O novo disco do grupo, intitulado Elã, foi produzido por Bruno Giorgi, um dos mais promissores produtores musicais da nova geração e estará disponível em todas as plataformas de streaming, a partir do dia 18 de outubro.

Discos lançados em setembro de 2017 que você deveria ouvir (Parte 1)

Setembro chegou ao fim, e com isso separamos novamente os melhores lançamentos do mês para você ouvir. Na lista deste mês (em duas partes), selecionamos 10 álbuns de artistas estreantes como Cinnamon Tapes, até artistas já conhecidos na cena independente como Herod e Tim Bernardes.

 

1. ABC Love – ABC Love e o Álbum do Prazer

ABC-LoveA Band Called Love, ou simplesmente ABC Love, acaba de lançar seu primeiro disco cheio, pelo selo Balaclava Records. Com 10 faixas, o álbum do projeto idealizado e liderado pelo fictício e misterioso senhor de 70 anos chamado Gevard DuLove, traz um trabalho carregado de sensualidade e nostalgia, acompanhados por uma sonoridade que remete a psicodelia e o experimentalismo. Além disso, a obra brinca com um universo onde o mistério, o medo e o erotismo se encontram.

Pra Quem Gosta De: Psicodelia
Melhor Faixa: La Petite Étoile
Avaliação: 3,5/5

 

2. Baco Exu do Blues – Esú

Baco-Exu-do-Blues-Esú-capaDepois do sucesso da canção Sulicídio, Diogo Moncorvo, mais conhecido por Baco Exu do Blues, lança seu primeiro álbum. Com 10 faixas, o trabalho que foi produzido por TAS e beats criado por Nansy Silvvs, conta também com a participação de KL Jay, do Racionais. O disco segue um conceito, onde cada canção retrata o personagem em diversos momentos, ora difíceis, ora de glória. Rico em referências musicais, o rapper soteropolitano usa elementos da música nordestina e africana, como o batuque do Maracatu e do Candomblé.

Pra Quem Gosta De: Rap, Hip Hop
Melhor Faixa: En Tu Mira
Avaliação: 4,6/5

 

3. Cinnamon Tapes – Nabia

nabia-cinnamon-tapes.jpgCinnamon Tapes é um projeto da cantora e compositora Susan Souza que no mês de setembro lançou seu álbum de estreia, intitulado Nabia. O disco com 9 faixas tem como selo a Balaclava Records e contou com a participação do norte-americano Steve Shelley, antigo membro dos Sonic Youth, na bateria e na produção. Com quase quarenta minutos de duração, as faixas do disco trazem em sua sonoridade a leveza do folk, com algumas referências do indie rock e também da música popular brasileira.

Pra Quem Gosta De: Folk
Melhor Faixa: Salty Eyes
Avaliação: 3,7/5

 

4. Flora Matos – Eletrocardiograma

1504197820632-flora-matos-eletrocardiograma.jpegUm dos principais nomes do rap brasileiro, a produtora e rapper Flora Matos, lança o álbum intitulado Eletrocardiograma, depois de sete anos da mixtape Flora Matos vs. Stereodubs. Com 12 faixas, o trabalho produzido pela artista brasiliense em parceria com Iuri Rio Branco e CESRV, traz o reflexo de uma artista mais madura, com canções que abordam diversas questões de um relacionamento e suas experiências até hoje, acompanhadas por uma sonoridade de R&B, Trap e Soul, que traz uma certa leveza à obra.

Pra Quem Gosta De: Rap, Hip-Hop
Melhor Faixa: Parando as Horas
Avaliação: 4,1/5

 

5. Herod – Herod Plays Kraftwerk

sw0188_largeA banda de post-rock instrumental Herod, lança o projeto intitulado Herod Plays Kraftwerk, que consistem em um disco- tributo com versões de diversos clássicos do grupo alemão Kraftwerk, pioneiro da música eletrônica nos anos 70 e que ainda é fonte de inspiração para muitos artistas até hoje. No novo trabalho, os arranjos eletrônicos originais e os synths, são transformados e adaptados em efeitos de guitarras, baixo, bateria e pedais, trazendo elementos da música experimental e a identidade da banda nas versões.

Pra Quem Gosta De: Post-Rock, Experimental
Melhor Faixa: Radioactivity
Avaliação: 3,9/5

 

6. As Bahias e a Cozinha Mineira – Bixa

9e1d10845d32fde2a537275953e9572a.939x939x1Depois do aclamado Mulher (2016), o grupo As Bahias e a Cozinha Mineira, lança o segundo álbum intitulado Bixa. O novo trabalho com 10 faixas, conta com o álbum Bicho (1977), de Caetano Veloso como inspirador. Produzido por Daniel Ganjaman e Marcelo Cabral, o disco se distancia da sonoridade do antecessor, trazendo elementos da música eletrônica e de outros ritmos regionais brasileiros como o techno brega. Apesar disso, as canções seguem a mesma proposta dramática, romântica e algumas vezes teatral do grupo.

Pra Quem Gosta De: Pop, MPB
Melhor Faixa: A Isca
Avaliação: 3,5/5

 

Ouça esses e outros lançamentos em nossa playlist O Que Tem de Novo? no Spotify!

 

 

 

 

 

 

 

 

Castello Branco está de volta com o disco “Sintoma”,

Uma das melhores surpresas dos últimos anos na música brasileira, o músico Castello Branco está de volta após quatro anos em hiato. O segundo disco intitulado Sintoma, está disponível nas plataformas de streaming desde o dia 01 deste mês e conta com a produção do próprio cantor em parceria de Lôu Caldeira e Ico dos Anjos, além das participações especiais de Mãeana e Filipe Catto. O álbum também contém uma versão da canção O Peso do Meu Coração, originalmente interpretada por Qinho.

No novo trabalho, Castello segue a estética sonora do álbum anterior Serviço, mantendo seus ritmos característicos, fazendo com que as 11 faixas seguem em uma continuidade. Apesar disso, Sintoma parece ter uma abordagem diferente do que seu antecessor. Enquanto o álbum lançado em 2014 retratava histórias relacionadas ao coletivo, o segundo disco é uma visão mais introspectiva do mundo.

O cantor aborda diversos temas, como a discussão de gêneros presente na faixa Coragem, além das canções românticas como as faixas Não Me Confunda Do Interior (com a participação de Verônica Bonfim), mostrando que o novo disco é coeso em seu conceito.

Xênia França estreia em carreira solo com “Xenia”

Xênia França, cantora conhecida por integrar o supergrupo Aláfia, começou sua carreira em 2007, quando cantava na noite paulistana sambas e clássicos da MPB no extinto grupo Capadoxe. Desde então, a artista se tornou uma referência de empoderamento e comportamento feminino, principalmente para as mulheres negras. Nesta sexta-feira, lança finalmente seu primeiro álbum solo, intitulado Xênia.

Gravado nos estúdios Red Bull Station, Carbono, El Rocha e Caso Raro, em São Paulo, o álbum com 13 faixas, contou com a produção da cantora em parceria de Pipo Pigoraro e Lourenço Rebetez. Russell Elevado, ficou responsável pela mixagem e Dave Darlington pela masterização. As composições contaram com as parcerias de Tiganá Santana, Theodoro Nagô, Tibless, Verônica Ferriani, Clarice Peluso, Luisa Maita e Chico César.

Em Xenia, a cantora, traz à tona questões como a Bahia, a existência, a beleza e o poder da mulher negra. O trabalho também traz novos elementos à sonoridade de Xênia como o pop e o jazz, mesclando com ritmos percussivos. Na faixa Pra Que Me Chamas?, por exemplo, França utiliza referências da música eletrônica para retratar questões relacionadas à apropriação cultural, onde uma cultura dominante adere de elementos específicos de outra cultura.

No novo trabalho, França reverencia a cultura negra, evidenciado na faixa Preta Yayá, onde a cantora canta “música preta, sou teu instrumento, vim pra te servir” e ao inserir a faixa Respeitem Meus Cabelos, Brancos, à obra. Além disso, o disco de estreia de Xênia França, coloca a mulher negra no centro do debate. Em faixas empoderadas como Tereza Guerreira e Breu (canção escrita depois do assassinato de Claúdia Silva), ou até mesmo na capa do disco com fotografia de Tomás Arthuzzi, e projeto gráfico de Oga Mendonça, a artista chama as mulheres para o questionar a auto-aceitação e a afirmação de sua identidade.

 

xenia-xenia-frança.jpegXenia
Xênia França
Produção: Xênia França, Pipo Pigoraro e Lourenço Rebetez
Pra Quem Gosta de: MPB, Soul, Jazz
Avaliação: 4,3/5

 

 

Descubra: Rodrigo Novo

Músico há alguns anos, Rodrigo Novo esteve presente nos grupos Caixadá e o Machimbo, como guitarrista. Ao mudar-se para a Europa, Novo acabou se distanciando dos colegas de profissão – porém não da música em si. “Percebi que iria ficar fora e comprei um violão usado para me fazer companhia. E foi assim que comecei a perceber uma vontade de escrever canções, que foram nascendo assim: da voz e violão”, relembra.

Em agosto desse ano, o artista lançou o EP Lá e Cá, fruto do tempo que morou em Londres. Mas foi na volta para o Brasil que o músico sentiu vontade de gravar suas composições e ver como soariam. Com uma abordagem diferente das bandas em que já tocou, o trabalho traz um folk minimalista e letras que falam de saudade e nostalgia.

Barro lança clipe de “Poliamor”

Para comemorar o primeiro ano do lançamento do álbum solo de estreia, o músico Barro, lança o clipe de Poliamor, faixa mais executada do Miocárdio nas plataformas digitais.

O videoclipe filmado em Fortaleza, conta com a direção de André Gonzales e Ednei Martins, que apresenta várias formas de uma relação afetiva. “Nosso foco foi registrar a intimidade a partir do corpo, olhar e toque, sem nunca transparecer qual o tipo de relação se estabelece, se é sexual, fraterna, materna. Exploramos a dança, contato, jogos coletivos e descontração para gerar essas imagens. Existindo relações reais entre atores e alguém da sua intimidade, família, amigo, parceiros, apresentamos um resultado entre a ficção e a realidade”, afirma Barro

4 canções brasileiras que foram sampleadas por artistas internacionais

É muito comum no mundo da música atual, encontrar canções que contenham em sua produção, os samples, que são aqueles trechos de outra música utilizadas para a composição de uma nova. Esse recurso foi largamente utilizado por artistas de hip-hop, principalmente na década de 70, quando iniciou-se o movimento, e até hoje levanta polêmica. Alguns acreditam ser apenas uma homenagem, enquanto outros consideram ser plágio, levando muitas vezes o assunto para os tribunais. Pensando nisso, o MB preparou uma lista com canções brasileiras que foram referenciadas por artistas internacionais e a história por trás da utilização desses samples.

 

1. Injeção – Deize Tigrona

A rapper M.I.A., sempre teve um grande interesse pelo Brasil, principalmente pelo funk carioca. Em 2004, a britânica lançou sua canção Bucky Done Gun, que contava com samples de Injeção, sucesso de 2003 da funkeira Deize Tigrona. Apesar de não receber nada pelo uso do sample, Deize passou a se apresentar por vários lugares, inclusive em cidades europeias.

Em 0:17
Em 0:39

 

2. Desafinado – Tom Jobim

O músico americano Beck, utilizou na faixa Readymade, o instrumental de Laurindo Almeida, lançado em 1963 da canção escrita por Tom Jobim e Newton Medonça. A faixa fez parte do álbum Odelay, lançado em 1996, que ganhou dois Grammy Award e vendeu mais de 2 milhões de cópias.

Em 1:56
Em 0:01

 

 

3. Seville – Luiz Bonfá

Grande sucesso de 2012, a canção Somebody That I Used to Know do cantor Gotye em parceria com Kimbra, usou um trecho da música Seville, lançada em 1967 pelo brasileiro Luiz Bonfá, morto em 2001. Depois de um acordo, o cantor australiano, concordou em colocar o nome do jazzista como coautor e ainda repassar 45% dos royalties para a família de Bonfá.

Em 0:01
Em 0:01

 

4. Pontos de Luz – Gal Costa

O DJ Kaytranada, utilizou em uma das suas músicas, trechos da canção interpretada por Gal e escrita por Jards Macalé e Waly Salomão presente no álbum Índia, de 1973A canção Lite Spots, (nome em inglês para Pontos de Luz), faz parte do seu disco de estreia intitulado 99,9%.

Em toda a música

 

Bônus: Arthur Verocai, o brasileiro mais sampleado por artistas internacionais

Poucos conhecem Arthur Verocai, mas provavelmente já ouviram pelo menos uma de suas canções, ou parte delas. Um dos nomes da música brasileira nos anos 1970, o músico passou muito tempo longe da música até ser redescoberto por artistas de hip-hop através do álbum homônimo. No whosampled.com, site que identifica os samples de canções, o músico tem 44 citações. Veja abaixo algumas delas.

Na Boca do Sol

Sampleada por:

Dedicada a Ela

Sampleada por: